empresas galegas

Governo regional da Espanha investiga se municípios lusos capturam empresas galegas com ajudas irregulares

O governo regional da Espanha está a investigar se vários municípios em Portugal estão a atrair empresas galegas com auxílios irregulares. Isto foi dito na segunda-feira pelo Alfonso Rueda, que confessou a preocupação do Governo Galego. De acordo com Rueda, o que está a analisar a administração regional da Espanha é se estes municípios cumprem as regras de concorrência que regem a região do Euro.

Se a investigação do governo espanhol concluir que estas regras não estão a ser respeitadas, poderia acabar numa queixa à Comissão Europeia. Uma medida exigida pelos socialistas galegos. “É uma coisa que nos preocupa muito, porque também são empresas de atividade consolidada, auxiliares das grandes empresas que há aqui”, acrescentou o líder do PP, referindo-se à planta Citroën em Vigo, entre outras.

O vice-presidente da Galiza admite que o abandono destas empresas “pode em breve tornar-se num grande problema” e tem “soluções, até certo ponto”. Rueda salientou que os municípios portugueses têm uma bonificação de impostos que vai “ao máximo”. Assim como, outras circunstâncias que atraem empresas galegas e os baixos salários. Também afirmou que na Galiza a redução dos preços de terrenos industriais vai “ao mínimo permitido por lei.” O governo galego garante que os custos do trabalho em Portugal são 13 euros por pessoa por hora, em comparação com entre 17 e 20 que regista Galiza.

“O governo galego admite preocupação com a fuga dos investidores para Portugal”

Sindicatos portugueses União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Geral dos Trabalhadores Portugueses Confederação (CGTP) acreditam que a deslocação das empresas a território luso não é devido aos incentivos fiscais ou preço dos terrenos industriais. Mas sim as condições de trabalho mais precárias. “Hoje eles movem as empresas da Galiza a Portugal, mas amanhã será outra deslocalização”, alertou na semana passada o Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP. Este acredita que as alegações de concorrência desleal servir “justificar o fracasso” das administrações para atrair multinacionais.

O Partido Socialista propôs denunciar Portugal a UE por oferecer terreno industrial “livre”. Isto poderia ser considerado como uma ajuda não autorizada. “O governo regional espanhol tem de estar mais preocupado e ser mais ativo do que a ser” demandou Xaquin Fernández Leiceaga. Também disse que a Galiza perdeu 2.000 empregos nos últimos cinco anos no auxiliar automóvel em comparação com 6000 ganhou Portugal.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *