Certo! Os portugues gastam o seu dinheiro em vinho

“É o maior consumidor de vinhos do mundo, com 54 litros por pessoa por ano”

Os dados recém-publicado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho confirmam o que já imaginávamos: os portugueses gastam-se o dinheiro em vinho.

Os portugueses são os maiores consumidores do mundo, com 54 litros por pessoa por ano. Mais do dobro que os compatriotas holandeses: 24,5 litros, apenas um menos que os espanhóis.

O consumo de vinho em Portugal é inigualável em qualquer outro país, segundo o ranking. A França, bebe quase três litros a menos por cabeça (51,8) e a distância abismal da Itália, o terceiro, com 41,5 litros por pessoa, e a Suécia com 41 litros. Curiosamente, como se vê, não há nenhuma clivagem radical entre o Norte e o Sul, Leste ou oeste. A China foi o país que aumentou o seu consumo no ano passado (6,9%), seguida por Itália e Reino Unidos. Longe de clichés e preconceitos, o factor determinante é se um país tem ou não videiras no seu território.

Mas parece que a Holanda teve mais motivos para brindar ao longo do tempo, pois há 20 anos consumia apenas 17 litros por pessoa por ano e na actualidade 24,5. Enquanto o consumo entre portugueses e espanhóis diminuiu neste tempo: 68 e 46 litros, respectivamente, significativamente menos do que o consumo actual.

Nos últimos anos, tem aumentado a qualidade dos vinhos e o desempenho português na sua exportação. Compete em qualidade, já que em quantidade não pode. É o décimo primeiro no mundo em produção, mas o nono na venda de vinhos no exterior. O preço médio de venda é o dobro da Espanha, exportador, uma vez que este país vende muito mais e, portanto, a preços baixos.

Os Portos, vinho da Madeira, vinho verde e Douro são as suas marcas. Em 2014, a Wine Spectator escolheu como melhor vinho do mundo a um Porto, Vintage da Dow 2011, das vinhas da família Symington. O terceiro também foi português, mas do Douro, um Chryseia 2011. Com estas tentações assim, quem não cair em vícios.

empresas galegas

Governo regional da Espanha investiga se municípios lusos capturam empresas galegas com ajudas irregulares

O governo regional da Espanha está a investigar se vários municípios em Portugal estão a atrair empresas galegas com auxílios irregulares. Isto foi dito na segunda-feira pelo Alfonso Rueda, que confessou a preocupação do Governo Galego. De acordo com o Rueda, o que está a analisar a administração regional da Espanha é se estes municípios cumprem as regras de concorrência que regem a região do Euro.

Se a investigação do governo espanhol concluir que estas regras não estão a ser respeitadas, poderia acabar numa queixa à Comissão Europeia. Uma medida exigida pelos socialistas galegos. “É uma coisa que nos preocupa muito, porque também são empresas de actividade consolidada, auxiliares das grandes empresas que há aqui”, acrescentou o líder do PP, referindo-se à planta Citroën em Vigo, entre outras.

O vice-presidente da Galiza admite que o abandono destas empresas “pode em breve tornar-se num grande problema” e tem “soluções, até certo ponto”. O Rueda salientou que os municípios portugueses têm uma bonificação de impostos que vai “ao máximo”. Assim como, outras circunstâncias que atraem empresas galegas e os baixos salários. Também afirmou que na Galiza a redução dos preços de terrenos industriais vai “ao mínimo permitido por lei.” O governo galego garante que os custos do trabalho em Portugal são 13 euros por pessoa por hora, em comparação com entre 17 e 20 que regista Galiza.

“O governo galego admite preocupação com a fuga dos investidores para Portugal”

Os sindicatos portugueses União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Geral dos Trabalhadores Portugueses Confederação (CGTP) acreditam que a deslocação das empresas a território luso não é devido aos incentivos fiscais ou preço dos terrenos industriais. Mas sim as condições de trabalho mais precárias. “Hoje eles movem as empresas da Galiza a Portugal, mas amanhã será outra deslocalização”, alertou na semana passada o Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP. Este acredita que as alegações de concorrência desleal servir “justificar o fracasso” das administrações para atrair multinacionais.

O Partido Socialista propôs denunciar Portugal a UE por oferecer terreno industrial “livre”. Isto poderia ser considerado como uma ajuda não autorizada. “O governo regional espanhol tem de estar mais preocupado e ser mais ativo do que a ser” demandou Xaquin Fernández Leiceaga. Também disse que a Galiza perdeu 2.000 empregos nos últimos cinco anos no auxiliar automóvel em comparação com 6000 ganhou Portugal.

relatório da OCDE

Segundo o relatório da OCDE a vulnerabilidade de Portugal aumentará nos próximos anos

O Secretário-Geral da OCDE, Angel Gurria, apresentou em Lisboa o relatório da OCDE sobre a situação económica do país. Com os dados de novembro, a organização prevê um crescimento nos próximos anos, em torno de um 1,3%, pouco mais baixo do que o ano passado, e o desemprego em torno de um 10%.

A apresentação do relatório da OCDE foi realizada na presença de Ministro português das Finanças, Mário Centeno, que criticou a esta organização e outras internacionais pelos seus falhos nas previsões. Centeno disse que o déficit do país em 2016 ficará por baixo dos 2,3%, a menor percentagem da história. Para a oposição, no entanto, este défice foi alcançado porque não se realizou o 30% do investimento público prometido, dado que também denunciou o Conselho das Finanças Públicas do governo, e pelo plano de dezembro para regularização fiscal dos morosos.

Com Centeno pela frente, Gurria elogiou as políticas económicas do governo socialista e social-democrata anterior. Assim como, pediu mais reformas estruturais para impulsionar o crescimento. Pois, Portugal vai continuar a crescer, mas por baixo dos países vizinhos. Não se prevê que o crescimento do PIB exceda o 1,5%, o mesmo que este ano, de acordo com o Governo. Para a OCDE, será de 1,3%. Relativamente à falta de reformas estruturais, a organização atribuiu que o investimento será menor do que os países vizinhos. Este irá cair 5,3 pontos nos últimos cinco anos e agora é 30% menor do que em 2005.

OCDE critica o aumento do salário mínimo, que em quatro anos passará de 485 euros para 600, o que, na sua opinião, não incentiva a criação de emprego. O desemprego atualmente está em 10,2% e irá continuar nessa barreira até 2019. “Os obstáculos estruturais impedem o crescimento e aumentam a vulnerabilidade do país”, diz o relatório. As maiores fraquezas do país são o sistema bancário e o endividamento. A dívida está perto dos 130% e diminui-la perante o aumento dos juros (4,2%) que está a pagar Portugal para vender papel do Estado.

 

O sistema bancário precisará de mais dinheiro para cobrir os seus buracos, e a elevada dívida são as suas maiores fraquezas

 

O sistema bancário continua com níveis muito elevados de créditos em dívida, apesar de toda a ajuda pública dada ao setor na última década. Entre 2008 e 2016, o Estado gastou no sistema bancário 14.000 milhões de euros. Se o número absoluto não assusta, a comparada com o PIB do país, corresponde ao 6,8%. Enquanto que, por exemplo, a ajuda pública aos bancos espanhóis foi de 4,1%. E, como o relatório da OCDE diz, não parece ter acabado aqui. Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos vão precisar de recapitalização este ano à custa de uma redução significativa nos seus escritórios. Como lembra a OCDE, Portugal tem quase o dobro de filiais que os países vizinhos.

O relatório da OCDE não traz surpresas nem cai em contradições com o anterior. Por isso elogia o trabalho da troika (2011-2014) e confirma que a redução do IVA na restauração (de 21% para 13%) não foi uma boa ideia, porque não tem criado emprego no sector.

Também insiste no peso da Função Pública, que continua a aumentar a sua massa salarial. No ano passado, o Governo acabou com os seus cortes, aumentou os feriados, diminuiu horários e da OCDE lembra que tem um excesso de funcionários na Educação (porque há menos crianças) e, especialmente, na polícia, com um terço dos membros mais que a média da UE.

Os funcionários públicos são os mais favorecidos por um regime de pensões insustentáveis para os futuros pensionistas, de acordo com a OCDE. Assim sendo, esta exige um fim à superproteção de contratos permanentes e a infra-proteção do emprego jovem. Desde 2009, a situação económica dos jovens agravou-se três pontos e a dos pensionistas melhorou seis pontos.