mercadona

O supermercado Mercadona chega a Portugal

Mercadona escolheu a sua primeira localização para a sua futura rede de supermercados em Portugal. Pois, esperam ter as suas primeiras quatro lojas a operar em 2019.

O local da primeira loja consiste numa área de 9.000 metros quadrados em Vila Nova de Gaia, perto da cidade do Porto. Fontes do grupo detalham que atualmente estão a realizar as formalidades para finalizar a compra.

A cadeia criará um centro com uma área de vendas de 1.800 metros quadrados. Deste modo, no local haverá uma área para os trabalhadores, salas de treinamento e estacionamento de 180 lugares.

O supermercado será construído segundo o modelo de “loja eficiente”, que já está implementado na Espanha. Este modelo visa otimizar o tempo de compra e obter um menor impacto ambiental e de energia de até 40 por cento, respeito aos supermercados tradicionais. Isto é conseguido graças às melhorias no isolamento térmico e acústico, uma iluminação LED automatizada e otimização de materiais e espessura da parede. Além disso, integra ferramentas colaborativas e dispositivos eletrónicos, tais como tablets, com o qual se pode partilhar informação de qualquer secção da loja. Uma vez que, estas ferramentas garantem “facilitar a autogestão de cada supermercado e agiliza os processos em toda a cadeia.”

Por quê o grupo Mercadona escolheu Portugal?

Mercadona escolheu Portugal para iniciar o seu processo de internacionalização, após a consolidação do seu modelo em toda a Espanha e analisar vários países, incluindo a Itália e a França. A cadeia considera Portugal “uma estreita proximidade logística de mercado, que se insere no crescimento orgânico e natural da empresa.” Na primeira fase de expansão, vai abrir quatro lojas em 2019. Isto supõe um investimento de 25 milhões de euros e a criação de 200 postos de trabalho.

Em 2015, o volume de negócios de Mercadona foi 20,831 milhões, o maior valor de uma empresa espanhola no país. Tem 1.614 supermercados e mais de 77.000 funcionários.

Certo! Os portugues gastam-se o dinheiro em vinho

“É o maior consumidor de vinhos do mundo, com 54 litros por pessoa por ano”

Os dados recém-publicado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho confirmam o que já imaginávamos: os portugueses gastam-se o dinheiro em vinho.

Os portugueses são os maiores consumidores do mundo, com 54 litros por pessoa por ano. Mais do dobro que os compatriotas holandeses: 24,5 litros, apenas um menos que os espanhóis.

O consumo de vinho em Portugal é inigualável em qualquer outro país, segundo o ranking. A França, bebe quase três litros a menos por cabeça (51,8) e a distância abismal da Itália, o terceiro, com 41,5 litros por pessoa, e a Suécia com 41 litros. Curiosamente, como se vê, não há nenhuma clivagem radical entre o Norte e o Sul, Leste ou oeste. A China foi o país que aumentou o seu consumo no ano passado (6,9%), seguida por Itália e Reino Unidos. Longe de clichés e preconceitos, o factor determinante é se um país tem ou não videiras no seu território.

Mas parece que a Holanda teve mais motivos para brindar ao longo do tempo, pois há 20 anos consumia apenas 17 litros por pessoa por ano e na actualidade 24,5. Enquanto o consumo entre portugueses e espanhóis diminuiu neste tempo: 68 e 46 litros, respectivamente, significativamente menos do que o consumo actual.

Nos últimos anos, tem aumentado a qualidade dos vinhos e o desempenho português na sua exportação. Compete em qualidade, já que em quantidade não pode. É o décimo primeiro no mundo em produção, mas o nono na venda de vinhos no exterior. O preço médio de venda é o dobro da Espanha, exportador, uma vez que este país vende muito mais e, portanto, a preços baixos.

Os Portos, vinho da Madeira, vinho verde e Douro são as suas marcas. Em 2014, a Wine Spectator escolheu como melhor vinho do mundo a um Porto, Vintage da Dow 2011, das vinhas da família Symington. O terceiro também foi português, mas do Douro, um Chryseia 2011. Com estas tentações assim, quem não cair em vícios.

busto de Cristiano Ronaldo

O busto de Cristiano Ronaldo e as polêmicas políticas do seu aeroporto

“Eu não pedi, mas eu não sou hipócrita e assumo que estou lisonjeado e me faz feliz.” Cristiano Ronaldo agradeceu assim o baptizado do aeroporto da Madeira que agora leva o seu nome.

“Eu sei que há pessoas que discordam, eles são sentado mesmo aqui, tudo bem. Nós vivemos num país democrático”, acrescentou o jogador de futebol. Este quis agradecer “a coragem” do primeiro-ministro da Madeira pela mudança do nome do aeroporto.

A mensagem de Cristiano Ronaldo, aos que se opunham também foi inserida no discurso do presidente Marcelo Rebelo de Sousa. “Coragem é necessária para esta mudança. A prática comum é dar a personalidades mortas. A escolha, caso único, foi feita a correr riscos. Escolher uma personalidade viva tem riscos. Mas sabemos que, quando o Cristiano deixa os campos Cristiano vai viver com a mesma humildade, as suas próprias raízes. Sempre foi e será assim. ”

Continue reading “O busto de Cristiano Ronaldo e as polêmicas políticas do seu aeroporto”

Hotusa Eurostars

Hotusa Eurostars incorpora o seu nono hotel em Portugal

Hotusa Grupo anunciou na sexta-feira passada a adição de Eurostars Cascais. Um hotel de 4 estrelas, sendo o nono estabelecimento da sua área hoteleira Eurostars Hotel Company em Portugal.

A empresa enfatiza que essa incorporação consolida o firme compromisso da organização pelo país luso. Já que está a programar abrir no próximo verão, três novos estabelecimentos: Eurostars Cais de Santarém (Lisboa), de 5 estrelas; Porto Exe Exe Almada centro e Porto, ambos localizados na cidade do Porto e de 4 estrelas.

Propriedade Hotusa Group e localizado na cidade homónima, o Eurostars Cascais tem 101 quartos, todos exteriores, equipados com varanda e com fotos da foz do Tejo. As imagens são obra de José Manuel Ribeiro, fotógrafo Português, que colabora com a agência de comunicação Reuters.

Destinado tanto a mulheres e homens de negócios, como os clientes que viajam a lazer. O hotel tem um café-restaurante onde pode saborear uma grande variedade de ofertas culinárias. Assim como, como quatro salas de reuniões com luz natural e acesso ao jardim piscina. Um hotel adequado tanto para celebrações pessoais e profissionais de todos os eventos amáveis.

Presidente do Grupo Hotusa, Amancio López Seijas, disse que:

 

“Portugal tem sido um país estratégico para a internacionalização da nossa empresa e permanecerá assim no futuro, como evidenciado por inúmeros novos projetos que já estão em curso neste destino.”

 

Neste sentido, com esta adição, Portugal está consolidada, após a Itália como o segundo destino internacional da companhia, cuja carteira atinge 167 estabelecimentos em 17 países.

No país Luso, além do novo Eurostars Cascais 4, a zona hoteleira Hotusa Grupo opera cinco hotéis em Porto, duas em Lisboa e uma na Figueira da Foz. Destes, todos fazem parte dos hotéis Eurostars, menos um estabelecimento integrado Exe cadeia de hotéis. Assim, à margem do Eurostars Cascais, os nove hotéis Eurostars Hotel Company são: o Eurostars Das Letras e Lisboa Eurostars Park (Lisboa); Eurostars Oasis Plaza (Figueira da Foz), Eurostars Das Artes, o Eurostars Oporto, o Eurostars Heroismo, o Douro e Porto Eurostars Exe Penafiel Park Hotel & Spa (Porto-Penafiel).

jesuítas

Os jesuítas de Scorsese

Martin Scorsese, com o seu filme Silêncio, trouxe as aventuras e dificuldades dos jesuítas que saíram de Portugal para cristianizar Ásia, África e a América desde o século XVI. Lisboa mantém muitos vestígios daquela época, pois inclusive é considerada a capital portuguesa, onde se criou o embrião da Companhia de Jesus, que se espalhou pelo mundo entre os séculos XVII e XX. O nome de Xavier é bastante comum em Portugal, e até há quem defenda que era português.

  • A primeira casa dos Jesuítas

No Mouraria, hoje o bairro mais típico de Lisboa, localiza-se a primeira casa de jesuítas do mundo, que data de 1542. A Companhia vendeu o prédio para os agostinianos no final de XVI e comprou-a de volta no século XIX. Esta está localizada na rua Marquês da Ponte de Lima.

  • Colégio de Órfãos

Foi fundado em 1273 pela Rainha Brites para cuidar das crianças pobres e órfãs. Mantém uma porta manuelina maravilhosa e, na escada, painéis de azulejos que reproduzem passagens da Bíblia.

Desde 1553, os jesuítas assumiram a educação das crianças, que estavam preparando-se para se tornar missionários. Está localizado na rua Mouraria, 64.

  • Hospital San José

Na parte administrativa deste enorme hospital no centro de Lisboa, é preservada a sacristia e a capela do que era em 1579, o Colégio de San Anton O Novo, diferenciar do Antigo (a casa do bairro mouro).

É mantido tal qual a Aula da Esfera, uma maravilha que deve ser acedida durante a semana. Rua José António Serrano, 1150-199.

  • Sacristia da Igreja de São Roque (1565)

Relíquias de São Francisco Xavier e Santo Inácio de Loyola, capelas dedicadas e uma sacristia revestida com pinturas alegóricas. Na primeira linha, 20 pinturas de André Reinoso (1619) sobre as façanhas de St. Francis Xavier no Japão. Largo Trindade Coelho, 1200-470.

  • Museu de História Natural

Fica no antigo Noviciado Cotovia, que a partir de 1619 foi utilizado para a formação e preparação dos jesuítas que estavam a sair para as Índias. Rua da Escola Politécnica 56.

  • Mercado da Ribeira

Hoje é o ponto de encontro de turistas com os seus cinquentas restaurantes. Mas em 1600, as águas da sua ribeira partiram o navio São Valentim com 19 jesuítas a bordo, incluindo o Padre Cristóvão Ferreira, que nunca se soube mais. O filme de Scorsese narra a expedição em busca dos Padres Rodrigues e Garrupe.

  • Padrão dos Descobrimentos

Na escultura monumental da praça do Império, realizada em 1960, uma das suas figuras é a de St. Francis Xavier, que se distingue pela sua barba, o crucifixo e porque tem as palmas das mãos.

  • E para a sobremesa, um jesuíta

É um dos doces típicos de Portugal. Pode encontrá-lo em qualquer pastelaria. Sobre a sua origem e nome há todo tipo de lendas, embora pareça que foi introduzido há mais de um século atrás, por um chef que tinha trabalhado com uma comunidade da Companhia de Jesus, em Bilbao.

O bolo é uma massa folhada com ovo tampa branca com açúcar e recheio de creme. O mais típico é uma forma original, diz-se que em memória das camadas de sacerdotes. A padaria é famosa Evian com este doce.